ASSISTÊNCIA SOCIAL

Vamos falar da participação das mulheres nos serviços da Assistência Social?

A médica do SUS, Julia Rocha, em seu livro “Pacientes que Curam”, faz uma pergunta aparentemente fácil de responder: “Quantas mães desnaturadas você conhece?” Mas a beleza cortante de seu texto emenda outra pergunta, essa talvez mais difícil: “a quantas você deu oportunidade de falar?” Assim como no SUS, a participação nos serviços da Assistência Social é uma direção política e ética que precisa orientar a escolha das estratégias cotidianas do trabalho social. Portanto, as oportunidades de fala não estão dadas; são espaços construídos e mantidos “de propósito”, ou seja, como escolha deliberada que a equipe faz para ouvir vozes de mulheres que foram (e ainda são) silenciadas por gerações. Silenciadas hoje pelo rótulo da “negligência”, que tantas vezes encobre preconceitos e estigmas contra essas mulheres que, sem acesso a políticas públicas de proteção social, tem sequestradas suas falas. Por isso, dizemos que o trabalho social nos serviços da Assistência Social é capaz de produzir uma mudança tão essencial: transformar falas silenciadas em narrativas legítimas de mulheres que vivenciam injustiças e constroem estratégias de resistência. A participação tem tudo a ver com os resultados esperados dos serviços da Assistência Social, numa construção diária e contínua desde o processo de trabalho ... Continuar Lendo

CONFERÊNCIAS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PARA DAR VISIBILIDADE AOS IMPACTOS DA PANDEMIA NA PROTEÇÃO SOCIAL

Nesse momento de calamidade, nosso entendimento é que, se faz necessário ampliar diálogos sobre a proteção social pública a partir de uma maior visibilidade sobre a situação de pessoas, famílias e grupos que vivem e sofrem os impactos da pandemia, que multiplica em escala inconteste a desigualdade no Brasil. Só essa necessidade já justifica nossa defesa de que, nesse ano, sejam realizadas as Conferências mais participativas dos últimos tempos e que usemos para tal, todas as ferramentas de comunicação que estejam disponíveis, visto que já aprendemos que para dialogar e pensar junto, não é necessária aglomeração. Conferência é espaço de debate, de diálogo, de análise da realidade conjuntural, de reconhecimento da desigualdade estrutural, é espaço de mobilização coletiva para avaliar se os governos têm feito o que devem fazer e se o fazem da forma adequada aos princípios republicanos de impessoalidade, legalidade e publicidade. Mas Conferência é um espaço ainda mais potente nessa conjuntura pandêmica, porque para enfrentar e superar a maior calamidade dos últimos tempos, é fundamental que as pessoas mais impactadas possam revelar suas necessidades. Só assim, será possível superar esse discurso atual de “invisíveis”. Porque não se trata de invisíveis, mas sim de um número imenso de ... Continuar Lendo